quarta-feira, 14 de março de 2018

Cantar a Celebração da Paixão

Para saber mais sobre os ritos da Celebração da Paixão do Senhor, clique aqui.

Observação inicial: Uso de instrumentos musicais
Desde o Glória da Missa da Ceia do Senhor até o início da Vigília Pascal proíbe-se o uso de instrumentos musicais, manifestando sobriedade ante a Paixão do Senhor. Podem ser utilizados apenas para sustentar o canto (Cerimonial dos Bispos, n. 300).

A procissão de entrada faz-se em silêncio (Missal Romano, p. 254).
Omitem-se o Ato Penitencial e o Glória.

1. Salmo: Sl 30,2.6.12-13.15-16.17.25 (R.: Lc 23,46)
Lecionário Dominical, pp. 159-160, 473-474, 787-788.

R. Ó Pai, em tuas mãos eu entrego o meu espírito.

Senhor, eu ponho em vós minha esperança;
Que eu não fique envergonhado eternamente!
Em vossas mãos, Senhor, entrego o meu espírito,
Porque vós me salvareis, ó Deus fiel!

Tornei-me o opróbrio do inimigo,
O desprezo e zombaria dos vizinhos,
E objeto de pavor para os amigos;
Fogem de mim os que me veem pela rua.
Os corações me esqueceram como um morto,
E tornei-me como um vaso espedaçado.

A vós, porém, ó meu Senhor, eu me confio,
E afirmo que só vós sois o meu Deus!
Eu entrego em vossas mãos o meu destino;
Libertai-me do inimigo e do opressor!

Mostrai serena a vossa face ao vosso servo,
E salvai-me pela vossa compaixão!
Fortalecei os corações, tende coragem,
Todos vós que ao Senhor vos confiais!


2. Aclamação ao Evangelho
Lecionário Dominical, pp. 160, 474, 788.

R. Glória e louvor a vós, ó Cristo.

Jesus Cristo se tornou obediente,
Obediente até a morte numa cruz.
Pelo que o Senhor Deus o exaltou,
E deu-lhe um nome muito acima de outro nome (Fl 2,8-9).



3. Apresentação da Cruz
No rito da apresentação da Cruz, utilizando-se uma das duas formas propostas no Missal (pp. 260-261), o sacerdote ou diácono canta por três vezes a aclamação, seguida pela resposta do povo:

Eis o lenho da cruz, do qual pendeu a salvação do mundo.
R. Vinde, adoremos!


4. Adoração da cruz
Durante a adoração da cruz, cantam-se os hinos propostos no Missal (pp. 261-266) ou outros cantos adequados:

a) Lamentos do Senhor, com o Trisagion como refrão (Missal, pp. 262-263):

Que te fiz meu povo eleito?
Dize em que te contristei!
Que mais podia ter feito,
Em que foi que eu te faltei?

R. Deus santo, Deus forte, Deus imortal,
Tende piedade de nós!

Eu te fiz sair do Egito,
Com maná te alimentei;
Preparei-te bela terra:
Tu, a cruz para o teu rei!

Bela vinha eu te plantara,
Tu plantaste a lança em mim;
Águas doces eu te dava,
Foste amargo até o fim!

Flagelei por ti o Egito,
Primogênitos matei;
Tu porém me flagelaste,
Entregaste o próprio Rei!

Eu te fiz sair do Egito,
Afoguei o Faraó;
Aos teus sumos sacerdotes
Entregaste-me sem dó!

Eu te abri o mar Vermelho,
Tu me abriste o coração;
A Pilatos me levaste,
Eu levei-te pela mão!

Pus maná no teu deserto,
Teu ódio me flagelou;
Fiz da pedra correr água,
O teu fel me saturou!

Cananeus por ti batera,
Bateu-me uma cana à toa;
Dei-te cetro e realeza,
Tu, de espinhos a coroa!

Só na cruz tu me exaltaste,
Quando em tudo te exaltei;
Por que à morte me entregaste?
Em que foi que eu te faltei?


b) Hino Cruz Fiel (Missal, pp. 263-266):

R. Cruz fiel, árvore nobre, que flor e fruto nos dais!
Árvore alguma se cobre das mesmas pompas reais.
Lenho que o sangue recobre, ao Homem Deus sustentais!

Cantemos hoje em memória da luta que houve na cruz,
Este sinal da vitória, que todo um povo conduz;
Nela, coberto de glória, morrendo, vence Jesus!

O Criador, apiedado da maldição que ocorreu
Quando, do lenho vetado, Adão o fruto mordeu,
Para curar o pecado um outro lenho escolheu.

Que um lenho ao outro vencesse, com arte Deus decretou,
E a salvação nos viesse pela cruz que ele abraçou,
De novo a vida irrompesse onde o pecado brotou.

Quando, do tempo sagrado, a plenitude chegou,
Pelo seu Pai enviado, o Filho ao mundo baixou:
De um corpo a Deus consagrado a nossa carne tomou.

Na manjedoura ele chora, o rei eterno dos céus;
Enfaixa-o Nossa Senhora, que pobres panos os seus!
Por frágeis laços embora, cativo o corpo de Deus.

Já tendo o tempo cumprido da sua vida mortal,
Só pelo amor impelido, numa oblação sem igual,
Na dura cruz foi erguido, nosso Cordeiro pascal!

Cravam-lhe os cravos tão fundo, seu lado vão traspassar;
Já corre o sangue fecundo, a água põe-se a brotar:
Estrelas, mar, terra e mundo, a tudo podem lavar!

Inclina, ó árvore, os ramos, acolhe o teu Criador;
Para o que em ti nós pregamos, do tronco abranda o rigor:
Para o rei que hoje adoramos sejas um leito de amor!

Só a ti isto foi dado: ao Salvador sustentar
E a todos que hão naufragado ao porto eterno levar,
Pois o Cordeiro, imolado, quis o teu tronco sagrar.

Louvor e glória ao Deus trino, fonte de luz, sumo bem.
Ao Pai e ao Filho divino louvor eterno convém.
Ergamos todos um hino ao que de ambos provém. Amém.


5. Comunhão
Pode-se cantar algum dos cantos tradicionais de Semana Santa: “Prova de amor maior não há” ou “Eu vim para que todos tenham vida”.



No final da celebração, todos retiram-se em silêncio (Missal, p. 269).

Nenhum comentário:

Postar um comentário