quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

O canto da Kalenda na Noite de Natal

Para a Missa da Noite do Natal do Senhor, a primeira das três Missas desta solenidade, a Igreja nos propõe o belíssimo texto da Kalenda, o Anúncio Natalino.

Canto da Kalenda no Vaticano
A Kalenda, cujo texto encontra-se no Martirológio Romano, é uma recapitulação da história do povo de Israel, lida a partir da Encarnação de Jesus Cristo, vista como o centro da história.

Este hino recebe este nome devido a sua primeira frase no texto original em latim: “Octavo Kalendas Ianuarii”. Na tradição romana, o primeiro dia do mês era chamado de “kalendas” do mês. Assim, os dias próximos às kalendas eram contados em referência a elas. Por isso o dia 25 de dezembro é chamado assim: o oitavo dia antes das kalendas de janeiro.

No texto latino, segue-se uma referência à lua. Por exemplo, neste ano de 2015: “luna quinta decima” (lua décima quinta). Isto é uma referência ao calendário judaico, que conta os dias do mês a partir do primeiro dia da lua nova. Por isso, neste ano o dia 25 de dezembro é o 15º do mês lunar judaico, isto é, o 15º dia desde que iniciou-se a lua nova.

O texto em português, que se encontra no Diretório Litúrgico da CNBB, omitiu estas primeiras duas frases, iniciando diretamente com a menção dos grandes acontecimentos da história de Israel em sua relação com o nascimento de Cristo segundo a carne: criação, dilúvio, nascimento de Abraão, êxodo, etc.

Embora o referido Diretório Litúrgico sugira cantar a Kalenda antes do Glória da Missa da Noite, é mais adequado entoá-la antes da Missa, servindo de “transição” entre as expectativas do Antigo Testamento pela vinda do Salvador, celebradas durante o Advento, e o mistério da sua Encarnação, celebrado nesta noite santa.

Diácono descobre a imagem do Menino Jesus após a Kalenda, antes da Missa
Lembramos também que o texto da Kalenda não faz parte do rito da Missa, sendo portanto mais adequado como preparação para esta. Tal era a prática no Vaticano até o ano passado, quando este rito sofreu uma pequena alteração (mantida neste ano): a Kalenda é entoada logo após a procissão de entrada, quando o Papa chega diante do altar. Após seu canto, o Papa dirige-se ao altar, o venera e incensa.

Esta forma, porém, exige que se preparem dois cantos de entrada (um antes da Kalenda e um após esta, para a incensação do altar), ou que se interrompa o canto e se retome-o após a Kalenda. Sugerimos, portanto, que se mantenha o costume de cantá-la antes da Missa.

Outra prática ligada ao canto da Kalenda é colocar a imagem do Menino Jesus diante do altar, coberta com um véu. Após o canto, um diácono ou outro ministro descobre a imagem (ou, caso adote-se a atual prática do Vaticano, o próprio sacerdote a descobre).

Papa Francisco descobre a imagem do Menino Jesus após a Kalenda

A Kalenda pode ser entoada por um cantor ou leitor leigo, por um diácono ou mesmo pelo próprio sacerdote. No Vaticano, é cantada sempre por um dos membros do coro.

Publicamos abaixo o texto deste belíssimo hino em português (tradução do Diretório Litúrgico da CNBB) e a versão em latim para este ano de 2015:

[Atualização: A partir de 2016 a CNBB publicou uma nova tradução, disponível aqui]

Transcorridos muitos séculos desde que Deus criou o mundo
e fez o homem à sua imagem;
séculos depois de haver cessado o dilúvio,
quando o Altíssimo fez resplandecer o arco-íris,
sinal de aliança e de paz;
vinte e um séculos depois do nascimento de Abraão, nosso pai;
treze séculos depois da saída de Israel do Egito sob a guia de Moisés;
cerca de mil anos depois da unção de Davi como rei de Israel;
na septuagésima quinta semana da profecia de Daniel;
na nonagésima quarta Olimpíada de Atenas;
no ano setecentos e cinquenta e dois da fundação de Roma;
no ano quinhentos e trinta e oito do edito de Ciro autorizando a volta do exílio e a reconstrução de Jerusalém;
no quadragésimo segundo ano do Império de César Otaviano Augusto,
enquanto reinava a paz sobre a terra, na sexta idade do mundo.
Jesus Cristo, Deus Eterno e Filho do Eterno Pai,
querendo santificar o mundo com a sua vinda,
foi concebido por obra do Espírito Santo e se fez homem;
 transcorridos nove meses nasceu da Virgem Maria em Belém de Judá.
Eis o Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo a natureza humana.
Venham, adoremos o Salvador.
Ele é o Emanuel, Deus Conosco.

[Atualização: A partir de 2016 a CNBB publicou uma nova tradução, disponível aqui]

Octavo Kalendas Ianuarii. Luna quinta decima.
Innumeris transactis sæculis a creatione mundi,
Quando in principio Deus creavit cælum et terram et hominem formavit ad imaginem suam;
permultis etiam sæculis, ex quo post diluvium Altissimus in nubibus arcum posuerat, signum foederis et pacis;
a migratione Abrahæ, patris nostri in fide, de Ur Chaldæorum sæculo vigesimo primo;
ab egressu populi Israel de Ægypto, Moyse duce, sæculo decimo tertio;
ab unctione David in regem, anno circiter milesimo;
hebdomada sexagesima quinta, juxta Danielis prophetiam;
Olympiade centesima nonagesima quarta;
ab Urbe condita anno septingentesimo quinquagesimo secundo;
anno imperii Caesaris Octaviani Augusti quadragesimo secundo;
toto Orbe in pace composito, Iesus Christus, æternus Deus æternique Patris Filius, mundum volens adventu suo piissimo consecrare, de Spiritu Sancto conceptus, novemque post conceptionem decursis mensibus, in Bethlehem Iudae nascitur ex Maria Virgine factus homo:
Nativitas Domini Nostri Iesu Christi secundum carnem.

Segue também um vídeo do canto da Kalenda no Vaticano (2010):


20 comentários:

  1. Respostas
    1. Sim, pode ser entoada por um cantor ou leitor leigo, por um diácono ou mesmo pelo sacerdote. No Vaticano é sempre um cantor.

      Excluir
    2. pode ser lida, ao invés de cantada ?

      Excluir
  2. Oi, André!
    Paz e bem!
    Talvez, você possa me ajudar entender, o motivo no qual na Santa Missa da Noite de Natal, do Papa Francisco, 2015/2016, os sinos e o som do órgão foram sodados, ao final da Kalenda,enquanto o z Papa, se descobria a imagem do Menino Jeusus, e a incensava
    Não seria mais correto? Sendo que o Missal, não pede os sinos e acompanhados pelo órgão, no glória, para a Missa da Noite do Senhor...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sempre o mestre de cerimônias pontifícial que prepara a celebração do santo Padre, o Próprio monsenhor Guido Marini pode ter alterado para esta forma, e como é o Próprio Guido, ele deve ter uma ótima explicação, já que é o mestre da liturgia do sumo pontífice.

      Excluir
  3. Prof. Tiago Paixão5 de dezembro de 2018 15:06

    Salve Maria!

    Em nossa Capela faremos as Vésperas Solenes antes da Missa.
    O correto seria cantar após essa Oração antes do inicio da Missa?
    Se sim, o diácono ja deve ficar próximo a Imagem do Menino Jesus para desvela-la?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Está correto sim. A kalenda serviria assim de transição entre a oração das Vésperas e a Missa.
      O desvelamento da imagem pelo diácono é mais um costume do que uma norma. Mas sim, o diácono pode esperar próximo à imagem para desvelá-la.

      Excluir
  4. pax ! gostaria de saber o lugar exato de onde se entoa as kalendas se do ambao ou estante ou do presepio , visto que não faz parte da liturgia( para liturgia) nao e texto biblico e nem ação liturgicw. Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade o texto da kalenda faz parte sim da Liturgia, uma vez que consta no Martirológio Romano, um livro litúrgico aprovado.
      Não há uma norma sobre onde deve ser cantada a kalenda: no Vaticano sempre se usa o ambão, talvez em analogia ao Precônio Pascal e ao Anúncio das Solenidades Móveis na Epifania.

      Excluir
  5. É ná missa do dia 24 ou do dia 25 que s Kalenda é cantada?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apenas na Missa da Noite de Natal (dia 24), a primeira das Missas dessa solenidade. Assim como a Proclamação da Páscoa é cantada apenas na Vigília Pascal, e não na Missa do dia.

      Excluir
  6. Quais são as 6 idades do mundo?

    ResponderExcluir
  7. Quais são as 6 idades do mundo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma tradição que se popularizou na Idade Média, inspirada por um escrito de Santo Agostinho. A partir do simbolismo dos sete dias da criação do Gênesis, Agostinho divide o tempo em seus idades:
      Primeira idade: da criação até o dilúvio;
      Segunda idade: do dilúvio até Abraão;
      Terceira idade: de Abraão até Davi;
      Quarta idade: de Davi até o exílio da Babilônia;
      Quinta idade: do exílio da Babilônia até o nascimento de Cristo;
      Sexta idade: do nascimento de Cristo até o fim do mundo.
      A sétima idade seria o "dia eterno" que começaria com a última vinda de Cristo.

      Excluir
  8. No nosso mosteiro cantamos o Anúncio antes do Ofício das I Vésperas do Natal, visto que o celebramos às 17h e a Santa MIssa é celebrada meia noite.

    ResponderExcluir
  9. Boa noite! Na minha paróquia vão cantar a Kalenda antes do Glória, no lugar do Ato Penitencial. É correto?

    Sabendo que a Kalenda vai ser cantada antes do Glória, ao término do canto pode-se desvelar o Menino Jesus e aproveitar o canto do Glória, com os sinos, e incensar a imagem?

    Desde já agradeço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como indicamos na postagem, o mais correto é cantar o Anúncio do Natal antes da Missa, uma vez que este não faz parte do rito da Missa. Porém, o Diretório Litúrgico da CNBB prevê a possibilidade de entoá-lo antes do Glória.
      O desvelamento da imagem e a incensação não fazem parte do rito, mas creio que nesse caso possam ser adaptados, sendo realizados após a Kalenda.

      Excluir
  10. Podemos deixar de fazer o ato penitencial quando fazemos o Kalendas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Diretório Litúrgico da CNBB prevê esta possibilidade. Porém, como indicamos na postagem, o mais correto é cantar a Kalenda antes da Missa.

      Excluir