domingo, 1 de abril de 2018

Homilia: Domingo de Páscoa

Eusébio de Cesareia
Tratado sobre a solenidade da Páscoa
“Com razão nestes dias transbordamos de alegria, como se já estivéssemos com o Esposo”

Estes são os novos ensinamentos, antigamente envoltos em símbolos, porém trazidos recentemente a plena luz. E também nós inauguramos cada ano esta solenidade com alguns períodos cíclicos de preparação. Assim, antes da festa e como preparação para ela, nos exercitamos nas práticas quaresmais, à imitação dos santos Moisés e Elias, repetindo a mesma festa ano após ano. Empreendido deste modo o caminho para Deus, cingimos cuidadosamente a cintura com o cíngulo da temperança e, protegendo cautelosamente os passos de nossa alma, iniciamos, bem calçados, a carreira de nossa vocação celestial; e usando a vara da palavra divina e somente o poder intercessor da oração para repelir aos inimigos, com toda a alegria e decisão nos aventuramos pela senda que nos leva ao céu, fazendo-nos passar das coisas desta terra às celestiais, da vida mortal à imortalidade.
Desta forma, realizada felizmente esta “passagem”, nos espera outra solenidade ainda maior, solenidade que os judeus chamam de Pentecostes e que é imagem do Reino dos céus. De fato, afirma Moisés: A partir do dia em que metas a foice na messe, contarás sete semanas, e da nova colheita apresentarás ao Senhor pães novos. Com esta figura profética se simbolizava: pela messe, a vocação dos gentios, e pelos pães novos, as almas oferecidas a Deus pelos méritos de Cristo, assim como as igrejas integradas pelos pagãos, e por este motivo se organizam os máximos festejos frente ao acatamento de Deus, rico em misericórdia. Pois, arrecadados pelas racionais foices dos apóstolos, todas as igrejas da terra congregadas como feixes na eira, formando um só corpo pelo concorde sentir da fé, temperados com o sal das doutrinas e mandatos divinos, regenerados pela água e o fogo do Espírito Santo, somos ofertados por Cristo como pães festivos, agradáveis e gratos a Deus.
Assim, confrontados com os proféticos símbolos de Moisés com a autenticidade de uma realidade rica de santos efeitos, aprendemos a celebrar uma solenidade mais jubilosa que a que nos foi transmitida, como se já estivéssemos reunidos com nosso Salvador, como se já gozássemos de seu reino. Por este motivo, durante estas festas não nos é permitido nenhuma prática ascética, mas antes nos estimula a apresentar a imagem do descanso que esperamos desfrutar no céu. Por esta razão nem nos ajoelhamos na oração, nem nos afligimos com o jejum. Pois a quem foi concedida a graça de ressuscitar em Deus, não parece oportuno que sigam prostrando-se por terra; nem que os libertos das paixões sofram o mesmo que aqueles que ainda são escravos de seus apetites.
Por isso, depois da Páscoa e ao término de sete semanas, celebramos a Festa de Pentecostes; da mesma forma que anteriormente a Festa da Páscoa, e durante o período de seis semanas, aguentamos varonilmente as práticas quaresmais. Pois o número seis é, por assim dizer, um número que significa atividade e eficácia. Por esta razão se diz que Deus criou em seis dias todas as coisas. Com razão, pois, as fadigas que supuseram a preparação da primeira solenidade lhes seguem as sete semanas preparatórias da segunda solenidade, na qual se concede um longo período de descanso, simbolizado pelo número sete.
Portanto, considerando os santos dias de Pentecostes como uma imagem do futuro descanso, não sem razão nossas almas transbordam de alegria, e também condescendemos com nosso corpo, concedendo-lhe um respiro, como se já estivéssemos com o Esposo. Portanto, não nos está permitido jejuar.


Fonte: Lecionário Patrístico Dominical, pp. 339-340.

Nenhum comentário:

Postar um comentário