terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Homilia: Quarta-feira de Cinzas

São João Crisóstomo
Sermão 2 sobre o Diabo Tentador
“Cinco caminhos de penitência”

Quereis que vos recorde os diversos caminhos de penitência? Existem certamente muitos, distintos e diferentes, e todos eles conduzem ao céu.
O primeiro caminho de penitência consiste na acusação dos pecados: Confessa primeiro teus pecados, e serás justificado. Por isso afirma o salmista: Eu propus: confessarei ao Senhor minha culpa e tu a perdoaste e ao meu pecado. Condena, pois, tu mesmo aquilo no que pecaste, e esta confissão te obterá o perdão diante do Senhor, pois, quem condena aquilo no qual faltou, com mais dificuldade voltará a cometê-lo. Faz que tua consciência esteja sempre desperta e seja como que tua acusadora doméstica, e assim não terás quem te acuse diante do tribunal de Deus.
Este é um primeiro e ótimo caminho de penitência; existe também outro, não inferior ao primeiro, e que consiste em perdoar as ofensas que recebemos de nossos inimigos, de tal forma que, colocando limites a nossa ira, esqueçamos as faltas de nossos irmãos. Agindo assim, obteremos que Deus perdoe aquelas dívidas que diante dele temos contraído; eis aqui, pois, um segundo modo de expiar nossas culpas. Porque se perdoais as culpas dos outros, diz o Senhor, também vosso Pai do céu vos perdoará.
Queres conhecer um terceiro caminho de penitência? O tens na oração fervorosa e contínua, que brota do íntimo do coração.
Se ainda desejas que te fale de um quarto caminho, te direi que o tens na esmola: ela possui uma enorme e extraordinária virtualidade.
Também, se és humilde e realiza obras com modéstia, neste proceder encontrarás – não menos do que até agora temos dito –, uma maneira de destruir o pecado. Disso tens um exemplo naquele publicano que, ainda que não possa recordar diante de Deus sua boa conduta, em lugar de boas obras apresentou sua humildade e percebeu-se aliviado do grande peso de seus numerosos pecados.
Recordei-te, pois, cinco caminhos de penitência: primeiro, a acusação dos pecados; segundo, o perdoar as ofensas de nosso próximo; terceiro, a oração; quarto, a esmola; e quinto, a humildade.
Não fiques, portanto, ocioso; antes procura caminhar cada dia pela senda destes caminhos: isso, de fato, resulta fácil, e não te podes escusar alegando tua pobreza, pois, ainda que vivas em grande penúria, poderias destituir tua ira e mostrar-te humilde, poderias orar assiduamente e confessar teus pecados; a pobreza não é obstáculo para dedicar-te a estas práticas. Porém, o que estou dizendo? A pobreza não impede de forma alguma o andar por aquele caminho de penitência, e que consiste em seguir o mandato do Senhor, distribuindo os próprios bens – digo da esmola –, pois isto o realizou inclusive aquela viúva pobre que deu suas duas pequenas moedas.
Já que tens aprendido com estas palavras a curar tuas feridas, decide-te a usar destas medicinas, e assim, já recuperada tua saúde, poderás aproximar-te com confiança à santa mesa e sair com grande glória ao encontro do Senhor, Rei da glória, e alcançar os bens eternos pela graça, a misericórdia e a benignidade de nosso Senhor Jesus Cristo.


Fonte: Lecionário Patrístico Dominical, pp. 305-306.

Confira também outras duas homilias: São Leão Magno e São João Crisóstomo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário